“NÃO POR FORÇA NEM POR VIOLÊNCIA, MAS PELO MEU ESPÍRITO”

O FAROL nº 1.127 – De 7 a 13 de junho de 2009

Zacarias 4.6

O propósito desta Pastoral é motivar você a alistar-se no poderoso Exército de Deus, a Sua Igreja, neste tempo de crise no mundo, no Brasil, na Igreja brasileira, nas famílias e no indivíduo.

Além dessa crise, estamos vivendo no Brasil um período de vergonha nacional com denúncias de corrupções praticadas por homens que a si mesmos se intitulam autoridades.

Na IEVY estamos vivendo a transição para Células, com alguns lampejos do mover de Deus.

Estamos jubilosos com a restauração de jovens que estavam fora da Igreja, novas conversões, despertamento espiritual em outros, desejo de viver uma vida mais intensa com Deus e a busca de conhecer o sobrenatural de Deus. Glória a Deus!

Precisamos interceder diante de Deus pelo Brasil, seu desenvolvimento, governantes, justiça social, dignidade dos pobres, melhoria na educação, na saúde e na segurança.

Não podemos fechar os olhos e nem tapar os ouvidos para as bandalheiras que homens públicos cometem, corrupções, mau uso de verbas públicas. Precisamos resgatar a ética, a verdade e a Justiça em todos os níveis!

A Igreja do Senhor Jesus é a guardiã da Verdade, da ética, da moral cristã. Sabemos que a mudança de nossa sociedade não é “nem por força e nem por violência, mas pelo Espírito Santo de Deus” (Zacarias 4.6).

Para tristeza nossa e de Deus, vemos o mundanismo entrando sorrateiramente na Igreja. O pecado não está mais incomodando tanto às pessoas. As diabólicas telenovelas estão invadindo nossos lares com o objetivo de desestruturar a família empregando feitiçarias e outros meios igualmente demoníacos.

O Evangelho está sendo banalizado nas Igrejas, com mau testemunho de líderes vendilhões de bênçãos.

Reconhecemos nossos defeitos e limitações, mas queremos ser conhecidos como uma Igreja séria e comprometida com Deus. Somos povo de Deus e não podemos assistir passivamente aos tristes e vergonhosos acontecimentos que aí estão. São lutas espirituais e temos que agir com armas espirituais. Somos sal da terra e luz do mundo, como afirmou o Senhor Jesus.

Em Juízes, Deus deu vitórias a Israel empregando meios e instrumentos estranhos:

1) Em 7.16, o exército usou trombetas, cântaros e tochas: “Dividiu os trezentos homens em três companhias e pôs nas mãos de todos eles trombetas e jarros vazios, com tochas dentro”.

2) Em 15.4 e 5, Sansão usou raposas: “Então Sansão saiu, capturou trezentas raposas e as amarrou aos pares pela cauda. Depois prendeu uma tocha em cada par de caudas, acendeu as tochas e soltou as raposas no meio das plantações dos filisteus. Assim ele queimou os feixes, o cereal que iam colher, e também as vinhas e os olivais”.

Em Juízes 15.15, Sansão usou ossada de jumento: “Encontrando a carcaça de um jumento, pegou a queixada e com ela matou mil homens”.

Eu lhe pergunto: Que instrumentos você tem usado nas suas batalhas espirituais? Você tem vencido o pecado, a falta de fé, a inércia, e a falta de compromisso sério com Jesus etc.?

Analisemos o Capitão Gideão como líder do exército de Israel, a batalha e a vitória, e o que isso tem a ver com a IEVY nos dias de hoje, em 2009:

I) GIDEÃO ERA CAPITÃO DO EXÉRCITO E SERVO DE DEUS – Juízes 6

1. Gideão era piedoso, temente a Deus, capaz de ouvir a voz de Deus: “Então o Anjo do SENHOR apareceu a Gideão e lhe disse: O SENHOR está com você, poderoso guerreiro” (v. 12).

2. Como servo de Deus, sentia profundamente a degradação moral e espiritual de seu povo: “Gideão respondeu, se o SENHOR está conosco, por que aconteceu tudo isso? Onde estão todas as suas maravilhas que os nossos pais nos contam…?” (v. 13).

3. Não podia desfrutar do resultado de seu trabalho, a colheita, porque os midianitas lhe roubavam tudo: “…Gideão estava malhando o trigo num tanque de prensar uvas, para escondê-lo dos midianitas” (v. 11). Irmão, preste atenção nas pessoas que estão roubando sua colheita, o fruto de seu trabalho, seu tempo, seus recursos.

4. Era de bom senso e acostumado a encarar os fatos, a vida e a olhar as coisas além das palavras: “…se o SENHOR está conosco, por que aconteceu tudo isso? Onde estão todas as suas maravilhas que os nossos pais nos contam…?” (v.13).

5. Era prudente pois queria ter a certeza de estar fazendo só a vontade de Deus: “Se de fato posso contar com o teu favor, dá-me um sinal de que és tu que estás falando comigo” (v. 17). Irmão, podemos pedir sinais para Deus, para confirmar Sua vontade em nossa vida!

6. Ficava impressionado com o poder de Deus. O segredo da vitória na vida é andar na presença de Deus: “Quando Gideão viu que era o Anjo do SENHOR, exclamou: Ah, SENHOR Soberano! Vi o Anjo do SENHOR face a face!” (v. 22). Irmão, quando foi a última vez que você ficou maravilhado com o poder de Deus em sua vida?

7. Buscava a santificação própria e de sua família, condição essencial do guerreiro no exército de Deus.

II) A IGREJA É O ISRAEL DE DEUS NA DISPENSAÇÃO DA GRAÇA

No texto de Juízes 6 e 7, a maioria do povo de Israel foi desclassificada para o serviço militar porque não passou nos testes. Como é a Igreja de nossos dias? Está passando nas provações ou não? Deus quer pessoas qualificadas no Seu exército para enfrentar o inimigo e alcançar a vitória. A qualificação inclui a fé, a coragem, a força de vontade, a moral elevada, a santificação, o bom testemunho de Jesus etc.

Em Juízes 7.3, o exército israelita era de 32 mil, dos quais 22 mil eram medrosos e, por isso, foram desqualificados para guerrear; 9.700 se mostraram sem a força necessária, sem o desprendimento das comodidades. Ao se deitarem no chão e lamberam a água como cão o faz, deixando a arma no chão (v.5).

Trezentos soldados valentes agacharam-se e lamberam a água levando-a na boca com uma das mãos e, com a outra, seguravam a espada: “O número dos que lamberam a água levando-a com as mãos à boca foi de trezentos homens. Todos os demais se ajoelharam para beber” (v.7).

Deus conta com homens e mulheres depreendidos, que não considerem sua vida preciosa para si mesmos, que estejam dispostos a rastejar, se humilhar e obter as forças necessárias para enfrentar o inimigo sem se descuidar.

III) 300 SOLDADOS DISCIPLINADOS CONQUISTARAM A VITÓRIA SOBRE MILHARES

1. A vitória não resultou de nenhuma proeza humana, mas da irrestrita obediência à Palavra de Deus e à liderança de Gideão.

2. Foi uma batalha estranha à razão e aos olhos humanos:

a) O vale estava coberto de soldados inimigos como gafanhotos: “Os midianitas, os amalequitas … eram numerosos como nuvens de gafanhotos” (v. 12).

b) Gideão creu na revelação de Deus quando ouviu a interpretação do sonho do soldado midianita: “Quando Gideão ouviu o sonho e a sua interpretação, adorou a Deus. Voltou para o acampamento de Israel e gritou: Levantem-se! O SENHOR entregou o acampamento midianita nas mãos de vocês” (v. 15). Você crê na atualidade dos dons do Espírito Santo no meio da Igreja?

c) Trombetas na mão direita; cântaros vazios com tochas acesas dentro na mão esquerda: “Dividiu os 300 homens em três companhias e pôs nas mãos de todos eles trombetas e jarros vazios, com tochas dentro” (v. 16).

d) Todos tinham que prestar atenção no líder Gideão:“Observem-me. Façam o que eu fizer. Quando eu chegar à extremidade do acampamento, façam o que eu fizer” (v. 17). O líder tem de ser exemplo do grupo, de ir à frente, de indicar ao povo a direção de Deus!

e) Tocaram as trombetas e quebraram os cântaros: “Então tocaram as suas trombetas e quebraram os jarros que tinham nas mãos; as três companhias tocaram as trombetas e despedaçaram os jarros. Empunhando as tochas com a mão esquerda e as trombetas com a direita, gritaram: À espada, pelo SENHOR e por Gideão!” (vs. 19 e 20). A trombeta é o testemunho que tem que soar bem alto e coerente com a vida cristã. A tocha é a luz que tem que brilhar. O cântaro quebrado é nosso ego que precisa ser quebrantado diante de Deus.

f) Pela obediência, fidelidade e fé, a vitória aconteceu: o inimigo bateu em retirada, correram e mutuamente se mataram com suas próprias espadas: “Cada homem mantinha a sua posição em torno do acampamento, e todos os midianitas fugiam correndo e gritando” (v. 21). O que impressionou o inimigo foi o repentino brilhar das 300 luzes e o toque estridente das 300 trombetas: unidade no testemunho de vida e na pregação do Evangelho! Mas o mais importante em tudo isso foi a obediência à voz de comando e à ação do poder de Deus.

Irmãos, ao concluir esta Pastoral gostaria de dizer-lhe o seguinte: Que qualidades dos 300 Homens de Gideão você considera que tem hoje?

Você está entre os 22 mil medrosos, entre os 9.700 desqualificados ou entre os 300 valentes de Israel?

Quais os inimigos que mais ameaçam sua vida espiritual? Seria a indiferença, o conformismo, a falta de compromisso, o pecado oculto, o espírito crítico, a maledicência, a fofoca, a indisposição para mudar?

Com quais armas você tem lutado contra seu inimigo, o diabo?

Você tem investido um tempo em oração diariamente ou ora só de vez em quando? Você tem lido e meditado na Bíblia diariamente?

Você tem disposição para trabalhar para Deus? Você tem prazer em servir a Deus? Você está disposto a mudar o que for necessário para melhorar as sua vida espiritual e a vida da Igreja?

Você tem vitórias em sua vida com o que Deus tem colocado em suas mãos? Seu testemunho tem brilhado diante do mundo? Sua espada para a luta tem sido a Palavra de Deus?

Que Deus assim nos abençoe.

Pr. Ageo Silva

NOTA: Mensagem pregada na IEVY no domingo, 31/5/09.