O PROFETA ELISEU E A VIÚVA ENDIVIDADA

O FAROL nº 1.128 – De 14 a 20 de junho de 2009

“Eliseu perguntou-lhe: Como posso ajudá-la? Diga-me, o que você tem em casa? E ela respondeu: Tua serva não tem nada além de uma vasilha de azeite” (v. 2 de 2º Reis 4.1 a 7)

O propósito desta Pastoral é reafirmar a convicção que Deus é nosso Pai e, como Pai, Ele cuida de Seus filhos em toda e qualquer situação. Podemos confiar e descansar nEle.

Deus é o recurso do Seu povo na hora da angústia: O salmista assim se expressou: “Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade” (Salmo 46.1).

O socorro divino nem sempre se manifesta em forma de milagre, de algo sobrenatural. Pode ser de forma muito simples e nem ser notada. Geralmente o socorro de Deus vem pela ação de algum dos Seus servos que Ele usa para a glória do Nome dEle. Muitas vezes vem como resposta à oração: é o Pai respondendo ao clamor de seus filhos.

1. PENSEMOS NA SITUAÇÃO DA VIÚVA ENDIVIDADA

“Certo dia, a mulher de um dos discípulos dos profetas foi falar a Eliseu: Teu servo, meu marido, morreu, e tu sabes que ele temia o SENHOR. Mas agora veio um credor que está querendo levar meus dois filhos como escravos” (v. 1).

Esta viúva era mulher piedosa, que fora esposa de um servo de Deus, provada no sofrimento. Tinha dois filhos para acabar de criar e com dívidas deixadas pelo falecido marido. Era uma mulher pobre, pois não podia pagar essas dívidas. Era mulher temente a Deus, cheia de fé. Ela procurou o profeta Eliseu, servo de Deus, para abrir seu coração e pedir sua ajuda. Dívida tira o sono e incomoda, ainda mais quando o credor exigiu levar seus dois filhos em resgate da dívida e fazer deles seus escravos!

Há alguma circunstância em sua vida semelhante ou parecida com a desta mulher?

2. PENSEMOS NA SENSIBILIDADE  DO  PROFETA

“Eliseu perguntou-lhe: Como posso ajudá-la? Diga-me, o que você tem em casa? E ela respondeu: Tua serva não tem nada além de uma vasilha de azeite” (v. 2).

O profeta andava tão perto de Deus que podia tornar-se o canal da bênção divina para a solução do drama daquela mulher. Ele ganhou a confiança da mulher pelo seu bom testemunho a ponto de ser reconhecido como servo de Deus. Eliseu entendeu que Deus Se serve do que temos para realizar milagres. Certa vez, Jesus estava ensinando grande multidão que permaneceu ouvindo-O o dia todo. Os discípulos chegaram a sugerir a Jesus que despedisse a multidão porque estavam com Ele havia horas e já deviam estar com fome. Jesus lhes respondeu que dessem de comer à multidão, ao que Lhe responderam que duzentos denários não seriam suficientes para comprar pães para todos: “Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixinhos, mas o que é isto para tanta gente? Disse Jesus: Mandem o povo assentar-se. Havia muita grama naquele lugar, e todos se assentaram. Eram cerca de cinco mil homens. Então Jesus tomou os pães, deu graças e os repartiu entre os que estavam assentados, tanto quanto queriam; e fez o mesmo com os peixes” (João 6.9 a 11). O lanche de uma pessoa colocado nas mãos de Jesus foi suficiente para alimentar cerca de quinze mil pessoas. O texto fala de cinco mil homens, fora mulheres e crianças. Quando entregamos o que temos a Deus, Ele faz milagres!

3. PENSEMOS  NO  MILAGRE

“Depois disso, ela foi embora, fechou-se em casa com seus filhos e começou a encher as vasilhas que eles lhe traziam. Quando todas as vasilhas estavam cheias, ela disse a um dos filhos: Traga-me mais uma. Mas ele respondeu: Já acabaram. Então o azeite parou de correr” (v. 5).

Milagre é toda alteração da natureza criada por Deus, feita pelo próprio Deus e para a glória de Deus!

A Bíblia relata vários tipos de milagres: Jesus foi convidado juntamente com sua família e discípulos para uma festa de casamento em Caná da Galiléia. No meio da festa o vinho se acabou e os noivos estavam com um problema. Deus seja louvado porque Jesus estava presente àquela festa e transformou água em vinho para que a festa continuasse (João 2.1-10). A ressurreição de Lázaro, cura de cegos, de surdos, de mudos, de coxos, de paralíticos e de tantos mais. A mulher obedeceu à orientação do servo de Deus, usando o que ela tinha em suas mãos, e o milagre da multiplicação do azeite aconteceu.

A orientação do profeta Eliseu foi simples:

1º) Que ela tomasse emprestadas da vizinhança vasilhas vazias e limpas – muitas vasilhas. Às vezes temos que fazer algo que esteja ao nosso alcance para receber o que Deus nos quer dar;

2º) A mulher devia fechar a porta, ficar a sós com seus filhos e trabalhar. Nem sempre as bênçãos de Deus acontecem no meio de muita gente. Neste sentido, Jesus orientou assim: “Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o recompensará” (Mateus 6.6);

3º) A mulher foi ajudada por seus filhos. Que bênção! A participação de nossos filhos na obra de Deus é a resposta às orações e à orientação dos pais;

4º) O milagre da multiplicação do azeite, além de resolver o problema da dívida deixada pelo marido, proveu o sustento dela e dos filhos por muito tempo. Às vezes Deus quer dar bênçãos duradouras e a pessoa quer apenas as temporárias. Salvação é bênção duradoura. Cura de alguma enfermidade é temporária.

Concluindo, gostaria de lhe fazer algumas perguntas: Você tem passado por provações na vida semelhante às desta viúva? Você é temente a Deus como essa viúva? Você tem buscado em Deus a solução de seus problemas ou apenas tem comentado com os outros o que você está passando? Você crê que Deus faz milagres nos nossos dias? Você crê que Deus pode fazer um milagre na sua vida ou na vida de alguém de seu relacionamento? Você está aguardando no Senhor algum milagre na sua vida?

Que Deus assim nos abençoe.

Pr. Ageo Silva

NOTA: Mensagem pregada na IEVY no domingo, 7/6/09.