A CURA DE CORPO E ALMA DE NAAMÃ

O FAROL nº 1.130 – De 28 de junho a 4 de julho de 2009

“Naamã, comandante do exército do rei da Síria, era muito respeitado e honrado pelo seu senhor, pois por meio dele o SENHOR dera vitória à Síria. Mas esse grande guerreiro ficou leproso” (2 Reis 5.1 a 19 – destaque v.1)

O propósito desta Pastoral é reafirmar que Deus quer nos abençoar por completo com a cura do espírito, da alma e do corpo, sabendo que a cura do espírito é a mais importante por ser eterna.

Deus purifica as pessoas contaminadas pelo pecado através do poder do Espírito Santo e da ação do Sangue de Jesus.

Geralmente o ser humano procura na religião ou nas Igrejas alguma coisa que preencha seus interesses e necessidades pessoais, que seja resposta aos seus anseios mais imediatos, como a solução de problemas financeiros, sentimentais e de relacionamentos, prosperidade nos negócios e nas finanças, conseguir emprego, cura de enfermidades e outras mais. Querem encontrar Deus em coisas palpáveis, objetivas, materiais, visíveis, não se contentando com apenas a fé em Deus ou com o invisível e impalpável ou sobrenatural.

A Igreja é o Corpo de Cristo na terra, não um negócio; é um organismo vivo, não uma organização; é o Corpo e não a Cabeça de Cristo;

Vejamos um pouco da história de Naamã antes de sua conversão:

O v. 1 diz que Naamã tinha cinco virtudes e um problema sério: “Naamã, comandante do exército do rei da Síria, era muito respeitado e honrado pelo seu senhor, pois por meio dele o SENHOR dera vitória à Síria. Mas esse grande guerreiro ficou leproso”. Naamã era da Síria cujo rei era Ben-Hadade. Era militar bem-sucedido no comando do exército da Síria, corajoso, forte, valente e herói de guerra, cheio de medalhas e condecorações pelos seus feitos nas batalhas.   Era homem de projeção e confiança do rei da Síria, general respeitado e honrado pelo rei e também pelo povo.

Nossos heróis nacionais são os atletas principalmente de futebol.

Podemos imaginar que, quando Naamã andava pelas ruas de Damasco, era honrado e respeitado por todos por onde passava.  Através dele, Deus dera vitória à Síria na guerra contra Israel, mas o Senhor já tinha armado uma situação para alcançá-lo e para tratar com Israel também. Não se trata de predestinação, mas de um propósito soberano e específico de Deus para alcançar um povo.

Deus queria mostrar a Sua soberania à Síria, e Quem está no controle da História e quem era, de fato, o herói nacional. Deus não divide Sua glória com ninguém!

Pergunta que sempre ouço: “Deus alcança as pessoas pela dor ou pelo amor?”. Santo Agostinho, numa de suas obras, disse: “Um homem só é mudado por um grande amor ou por uma grande dor!”. E é verdade! Os evangélicos pegaram sua expressão e deram uma customizada.

Se Deus está falando ao seu coração, não adianta você fugir dEle. Um dia você vai se render a Deus!

Naamã era alvo do amor de Deus como todo seu povo, mas havia algo mais importante na alma de Naamã que precisava ser curado primeiro: o seu orgulho!

Apesar de Naamã não conhecer o Deus de Israel, Deus já o conhecia, já sabia quem era Naamã. Um pastor contou sobre seu trabalho evangelístico entre os presos de uma Penitenciária: Após o final de uma reunião, um preso se aproximou dele e lhe disse: “O senhor me desculpe, mas eu não venho na sua reunião porque eu não acredito em Deus”, ao que o pastor lhe respondeu: “Eu tenho uma novidade para lhe dizer: Deus acredita em você!”.“Como assim?”, perguntou o preso.“Deus tem um jeito para você! Sua vida tem solução! Deus quer ter um encontro com você e transformar a sua vida!”. Na reunião seguinte, o preso estava lá e disse: “Só vou acreditar em Deus se Ele responder a minha oração: Jesus, faça de mim um homem novo!”. Deus transformou completamente a vida daquele preso, o qual se tornou um servo de Deus.

Há pessoas que não crêem em Deus, mas Deus diz: “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais” (Jeremias 29.11). Naamã era um vencedor, mas tinha um problema sério: era leproso!

Vamos examinar os cinco importantes acontecimentos na vida de Naamã:

1. NAAMÃ TINHA UM GRANDE SOFRIMENTO.

O final do v.1 diz que ele era “…leproso!”. Deus permite certos problemas em nossa vida para valorizarmos a Deus e o que Ele quer fazer em nós e por nós. Naamã era leproso! Era um herói de guerra respeitado na rua por onde passava, mas na intimidade de seu lar, ele passava por um grande sofrimento físico e emocional: era leproso!

Diante do povo, ele usava sua farda militar toda cheia de medalhas e condecorações e sua armadura; era vistoso e respeitado. Mas quando tinha que tirar sua farda na intimidade de sua casa, e sua ferida era exposta e tinha que mostrar quem realmente ele era.

A lepra é uma doença infecto-contagiosa causada por um bacilo, que altera os nervos inicialmente das extremidades do corpo, depois a pele e a carne: nariz, orelhas, os dedos… Doença terrível!

Espiritualmente falando, talvez seja este o seu retrato: Talvez você seja uma pessoa bem-sucedida no seu trabalho, ou nos seus negócios, ou na sua carreira profissional, nos cursos que você faz; mas tem uma lepra dentro de você, um pecado sobre o qual você não consegue vitória! No círculo de colegas e amigos na empresa você é elogiado, reconhecido e valorizado; mas tem lepra na alma!

Você está ganhando bem, suas finanças estão bem, tem uma boa casa ou apartamento, um bom carro, esposa bonita ou marido elegante; mas na intimidade de seu lar tem uma lepra dentro de você. Você é um derrotado, um fracassado, um doente! A lepra simboliza o pecado.

Quais são as características do leproso?

a) Tinha que ficar separado da comunidade.

Naamã não era israelita. Se o fosse, em Israel, o leproso tinha que ficar separado da família e da comunidade. Era confinado em leprosários nas cavernas fora da cidade. Segregado! A lepra é símbolo do pecado porque nos separa de Deus e faz sentir um vazio na alma.

b)  A lepra produz insensibilidade.

O primeiro sintoma da lepra é a insensibilidade. A pessoa pode se queimar com água fervendo, martelar o dedo, e não sente nada.

O pecado na vida do crente longe de Deus o torna insensível ao que Deus está fazendo e quer fazer na vida dele. Assim é o pecado na vida da pessoa que se afasta de Deus, que não quer saber nada de Deus; fica insensível à voz do Espírito Santo. Nada mais toca ou sensibiliza a pessoa.

Parece que os escândalos que acontecem no Brasil, no Congresso, não nos sensibilizam mais; isto é mau sinal! Precisamos reagir, orar e chorar pelo Brasil.

c)  A lepra deforma o corpo.

Quando a lepra toma conta, as extremidades do corpo começam a cair e a pessoa vai ficando deformada. O maior escultor barroco mineiro, Aleijadinho, depois dos 40 anos contraiu a lepra e foi perdendo o movimento dos dedos das mãos e dos pés.  Muitas de suas obras foram produzidas antes dos 40 anos. Para esculpir um ajudante enrolava suas mãos e amarrava o cinzel na palma de uma das mãos e o martelo na outra para segurar o cinzel e produzir suas obras.

Lá fora na rua, Naamã era um herói de guerra, um vencedor honrado, respeitado. Dentro de casa, um fracassado, um derrotado pela lepra, um doente. Não podia abraçar sua esposa e seus filhos, porque a lepra era contagiosa.

Quem sabe seja a sua situação! Alguém que trabalha na Igreja, dizimista, canta no coral, toca ou canta no grupo de louvor, mas dentro de casa você é outra pessoa, um fracassado espiritualmente!

Naamã usava a farda militar e a armadura. Talvez você use máscara para viver uma vida dupla, de aparências, máscara de espiritualidade e de piedade. Muitos se escondem por trás da máscara a impureza da pornografia, da sedução, do sexo pecaminoso. Muitos têm cara de santo, mas na intimidade do quarto de sua casa, oficina ou do escritório, na solidão, as marcas da lepra do pecado aparecem. Talvez você tenha chorado em seu travesseiro esta vida dupla no caráter e na vida espiritual.

A lepra era o “drama” da vida de Naamã: devia trazer-lhe desgosto, amargura para a alma, que, talvez, lhe tirava o sabor das vitórias.

Quando ele entregou a carta de Ben-Hadade, rei da Síria, ao rei de Israel, este rasgou suas vestes de indignação: “Porventura sou eu Deus para curar? Este rei está armando alguma cilada contra mim…” Sabendo do ocorrido, o profeta Eliseu mandou recado ao rei para que enviasse Naamã à casa dele.

Naamã era uma pessoa rica, mas não havia ninguém para ajudá-lo: Era limitado e impotente! Levou presentes para o profeta Eliseu: 350 quilos de prata, 72 quilos de ouro e 10 vestidos de festa.

2. NAAMÃ TINHA GRANDES EQUÍVOCOS.

1º) Pensar que Deus se submete a influências de poderosos, de ricos, intelectuais e políticos! Era cego espiritualmente  pensar que o fato de ser um general vencedor, poderia conseguir influenciar o rei de Israel a mandar o profeta curá-lo. Resolver questões espirituais por meio da diplomacia! Os homens que se consideram grandes nada são diante de Deus!

2º) Pensar que o dinheiro poderia comprar a bênção de Deus! Levou presentes para comprar a bênção da cura: 350 quilos de prata, 72 quilos de ouro e 10 vestidos de festa, coloridos. Só ricos usavam roupas coloridas… Seu equívoco: “Vou dar estes presentes e o profeta vai me abençoar!”. Dinheiro não pode comprar a bênção e a unção de Deus!

É o engano de muitos chamados homens de Deus: pensam que podem transformar a Igreja em negócio! Igreja não é empresa! Igreja é Agência de salvação e de edificação dos salvos, de bênção de Deus para todos os povos.

Um dia a máscara caiu. Naamã se equivocou. Você pode estar se equivocando também: não é resolvendo dar o dízimo ou uma boa doação que você vai alcançar a bênção de Deus!

Quem sabe você separou dinheiro para fazer um sopão para os mendigos moradores sob os viadutos para agradar a Deus; isso não resolve! Você não pode comprar a bênção de Deus. O que Jesus conquistou na cruz é de graça! Alguns fazem isso declaradamente. Dinheiro, prestígio e fama não compram a bênção de Deus.

3º) As glórias humanas poderiam colocá-lo numa condição privilegiada! O v.9 diz: “Então Naamã foi com seus cavalos e carros e parou à porta da casa de Eliseu”. Achou-se importante e esperava receber um tratamento vip, diferenciado, com honrarias de general vencedor.

Naamã parou à porta da casa do profeta Eliseu e este nem saiu para recebê-lo. Mandou orientação por seu mensageiro, Geazi: “Vá e lave-se sete vezes no Rio Jordão; sua pele será restaurada e você ficará purificado” (v.10). Naamã ficou indignado, furioso, bravo com o tratamento recebido: “Eu estava certo de que ele sairia para receber-me, invocaria em pé o nome do SENHOR, o seu Deus, moveria a mão sobre o lugar afetado e me curaria da lepra. Não são os rios Abana e Farfar, em Damasco, melhores do que todas as águas de Israel? Será que não poderia lavar-me neles e ser purificado? E foi embora dali furioso” (vs.11 e 12).

Em Damasco, ele era recebido com pompa e circunstância! Eliseu nem saiu à porta para recebê-lo, para cumprimentá-lo: que falta de respeito!

O problema maior dele não era a lepra; era seu orgulho ferido. Sentiu-se ofendido em ser recebido pelo mordomo de Eliseu com esta mensagem: “Vá e lave-se sete vezes no Rio Jordão; sua pele será restaurada e você ficará purificado” (v.10).

Diante de Deus todos nós somos como trapo de imundícia! Não podemos exigir posição no Reino de Deus. Muitos pensam que diante de Deus são especiais porque são bem-sucedidos.

3. NAAMà TINHA  UM GRANDE  TESTEMUNHO  DENTRO  DE  SUA  CASA.

“Ora, tropas da Síria haviam atacado Israel e levado cativa uma menina, que passou a servir à mulher de Naamã. Um dia ela disse à sua senhora: Se o meu senhor procurasse o profeta que está em Samaria, ele o curaria da lepra”  (vs. 2 e 3).

Numa batalha vencedora do exército da Síria contra Israel, os sírios levaram “presos de guerra” para fazê-los escravos, serviçais… uma menina ficou a serviço da mulher de Naamã em sua casa. Não sabemos sua idade, talvez uma adolescente. Talvez seus pais tenham sido mortos na guerra; Deus tem seus caminhos, suas providências.

Benditas as “empregadas domésticas” que dão bom testemunho de Jesus nas casas de suas patroas! Benditos os pedreiros, pintores, eletricistas, encanadores, mecânicos, atendentes, motoristas, vigilantes, bancários, professores, enfermeiros, médicos, advogados, dentistas crentes e que dão bom testemunho de Jesus no seu ambiente de trabalho e de relacionamentos!

A “menina” era menor, mas não era boba, nem cega e nem surda: observava o drama do casal com a lepra do seu patrão. Quando houve uma oportunidade, “disse ela à sua senhora: Tomara o meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria de sua lepra” (v.3).

O herói nacional não era um general! Era uma heroína! Uma escrava adolescente, uma serviçal dentro da casa do general!

Ela poderia se vingar: “Bem-feito pela sua lepra!”. Havia a questão da inimizade, mas ela superou tudo: “Ah! se o meu patrão fosse à Samaria e o profeta do meu País orasse por ele, tenho certeza que ele seria curado!”

Quando Deus resolve alcançar alguém, não adianta escapar! Deus vai alcançar!

Deus está mirado em você! Você está lendo este Boletim porque é da vontade de Deus, para mudar a sua história. O retrato de Naamã pode ser o seu retrato. Você sabe como você é na intimidade: a lepra está lá!

Naamã se achava importante, mas Deus colocou uma escrava adolescente dentro da casa dele para ser bênção na vida dele. Ele creu na informação da escrava israelita e foi pedir uma carta de apresentação ao rei da Síria, que fez a carta ao rei de Israel apresentando seu general Naamã. O rei de Israel ficou indignado e rasgou sua própria roupa considerando insulto aquela carta.

O profeta Eliseu ficou sabendo da presença de Naamã no palácio e mandou recado para que o enviasse à sua casa. Naamã chegou à porta da casa do profeta Eliseu, que nem o recebeu e manda seu mensageiro dizer a Naamã que se banhasse no Rio Jordão por sete vezes e seria purificado de sua lepra.

Naamã ficou indignado, furioso com essa atitude. Seu orgulho tinha sido ferido! Deus colocou gente sóbria e conselheira do lado dele: “Se o profeta exigisse os 350 kg de prata ou os 72 kg de ouro, o senhor não faria? Então, ele mandou fazer uma coisa tão simples! Por que o senhor não experimenta? Dá uma chance! Vai lá!”. Louvado seja Deus pelos conselheiros sábios e com discernimento colocados à nossa volta!

4. NAAMÃ EXPERIMENTOU UM  GRANDE  MILAGRE.

Sua chegada em Samaria não foi com pompa e circunstância, trombetas, tapete vermelho… Foi totalmente diferente do que ele tinha pensado. O profeta Eliseu nem o recebeu e manda seu mensageiro dizer a Naamã que se banhasse no Rio Jordão por sete vezes e seria purificado de sua lepra; Naamã ficou indignado! Benditos os conselheiros que Deus coloca ao lado de pessoas como Naamã! “Se o profeta tivesse pedido uma coisa cara, absurda, o senhor não atenderia?”.

Irmão, dá uma chance para Deus: vá ao “Encontro com Deus”, freqüente uma Célula, venha às reuniões de oração, leia a Bíblia, ore sempre, participe dos cultos!

Naamã queria ser curado da lepra em seu corpo e nem sabia que precisava antes ser curado da alma e do espírito! A lepra não estava só na pele e na carne dele, mas no espírito!

Naamã tinha que se despir de seu orgulho e ser tratado por Deus: tinha que mostrar sua feiúra antes de entrar no rio. Não seria possível Naamã entrar no rio sem tirar sua farda de general, suas medalhas e condecorações, seus trajes de vitorioso.

Seus subalternos viram suas chagas antes de mergulhar-se. Ninguém pode ser curado sem primeiro admitir que tenha doença na alma.

Só tem um que pode assentar no trono de nosso coração: Jesus! No reino de Deus, todos nós temos que nos humilhar para recebermos as bênçãos de Deus, sejam doutores, os inteligentes, os bem-sucedidos, os PHDs, os heróis do atletismo, os artistas, os políticos, enfim todos têm que se humilhar diante de Deus!

Se tivesse mergulhado só 1, 2 ou 3 vezes e dissesse: não adianta! Não está acontecendo nada! Seus auxiliares insistiam: o profeta falou 7 vezes. Continue! Vá em frente! 5, 6 e finalmente 7 vezes! A obediência tem que ser completa! O resultado foi que depois da 7ª vez: ele foi purificado, curado inteiramente. Sua pele se tornou como a de uma criança!

Para ser abençoado, você tem que obedecer a Deus! Não adianta só freqüentar aos cultos, às células, às reuniões: precisa obedecer a Deus em sua vida!

5. NAAMÃ FOI COMPLETA-MENTE  PURIFICADO.

Nenhum outro leproso foi curado no Rio Jordão. Apenas Naamã! A cura não estava nas águas do Rio Jordão, mas na fé e na obediência incondicional em Deus! O profeta não aceitou nenhum dos presentes de Naamã, que disse a Eliseu: “…Já que não aceitas o presente, ao menos permita que eu leve duas mulas carregadas de terra, pois teu servo nunca mais fará holocaustos e sacrifícios a nenhum outro deus senão ao SENHOR!” (v. 17). Naamã teve uma experiência de conversão, de transformação de sua vida!

Queridos irmãos, a pior lepra de Naamã era seu orgulho. Deus quer fazer um milagre em sua vida, quer curá-lo completamente também. Naamã chegou leproso em Israel e voltou curado! Chegou perdido, e voltou salvo; chegou idólatra, e voltou adorando o Deus vivo!

Não sei como você está neste momento. Se está freqüentando a Igreja há tempo, talvez esteja freqüentando uma Célula, mas está vivendo uma vida dupla, Deus quer operar! Você gosta de estar na Igreja ou na Célula, mas tem uma vida de derrotas. Deus quer curar seu espírito, sua alma e seu corpo.

Que Deus assim nos abençoe.

Pr. Ageo Silva

NOTA: Mensagem pregada na IEVY no Domingo, 21/6/09.